Enquanto Bezos e três outros magnatas da tecnologia se preparam para defender seus negócios em uma audiência no Congresso americano sobre preocupações antitruste nesta quarta-feira, 29, sua riqueza em rápido crescimento fornece uma medida impressionante do poder econômico de suas empresas. O fundador da Amazon.com viu seu patrimônio líquido subir em US$ 63,6 bilhões este ano. Em um dia deste mês,saltou US$ 13 bilhões, feito sem precedentes. O homem mais rico do mundo está agora à beira de outro recorde: uma fortuna superior a US$ 200 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

Outro executivo-chefe que deve testemunhar, Mark Zuckerberg, do Facebook, ficou US$ 9,1 bilhões mais rico este ano, colocando sua fortuna ao alcance do status de milionário já detido por Bezos e Bill Gates.

Milionários estão ficando mais ricos e mais rápido na pandemia

Elon Musk, CEO da Tesla
Elon Musk, da Tesla: patrimônio líquido mais que dobrou em 2020. (Hannibal Hanschke/ Reuters)

A acumulação impressionante de dinheiro em andamento na tecnologia é incomparável em velocidade e escala. Nenhum outro grupo de executivos prosperou em tal grau. De fato, as pessoas mais ricas do mundo estão ficando ainda mais ricas e mais rápidas, à medida que a pandemia de coronavírus eleva a economia global e gera cada vez mais atividade online.

“Mudamos a economia de tijolo e argamassa para uma economia online de forma dramática”, disse Luigi Zingales, professor de finanças da Booth School of Business da Universidade de Chicago. “Provavelmente a mesma coisa teria acontecido em um período mais longo. Agora isso acontece em semanas, em vez de anos.”

A audiência será realizada por videoconferência e também contará com Tim Cook e Sundar Pichai, CEO da Apple Inc. e controladora do Google, Alphabet Inc. Ela está prestes a ser um assunto combativo, já que os legisladores expressam maior frustração com a maneira como a indústria exerce sua influência.

A posição de Bezos será que sua empresa é uma história de sucesso americana que alcançou sua posição por meio de riscos efoco incansável nos clientes, de acordo com seu testemunho preparado. Ele contará sua história pessoal e a de seus pais, que investiram no que se tornaria o maior varejista online do mundo.

Riqueza dos bilionários de tecnologia quase dobrou em 4 anos

Warren Buffett, CEO do Berkshire
Warren Buffett, CEO do Berkshire: ultrapassado na lista de bilionários pelos donos das big techs. (Andrew Harrer/ Bloomberg/ Washington Post)

A riqueza coletiva de bilionários de tecnologia no índice da Bloomberg, um ranking das 500 pessoas mais ricas do mundo, quase dobrou desde 2016, de US$ 751 bilhões para US$ 1,4 trilhão hoje. Isso é mais rápido do que em qualquer outro setor.

Sete das dez pessoas mais ricas do mundo obtêm a maior parte de sua fortuna com participações em tecnologia, com um patrimônio líquido combinado de US$ 666 bilhões, um aumento de US$ 147 bilhões este ano.

Os grandes vencedores até agora em 2020 incluem Elon Musk, cujo patrimônio líquido mais que dobrou, para US $ 69,7 bilhões, devido ao aumento das ações da Tesla.

O co-fundador da Microsoft, Gates, e o ex-CEO Steve Ballmer também dispararam, muito tempo depois de deixarem a empresa. O bilionário indiano Mukesh Ambani, cuja fortuna está ligada à maior refinaria de petróleo do mundo – também lucrou com a mudança online. As ações da Reliance Industries Ltd., o conglomerado que ele controla, aumentaram 45% este ano, com a expansão da empresa para os negócios digitais e de varejo, tornando-o a quinta pessoa mais rica do mundo.

Entre os dez primeiros, apenas dois viram sua riqueza cair em 2020: o magnata do luxo Bernard Arnault e Warren Buffett, da Berkshire Hathaway Inc. Enquanto a tecnologia aumentou, mais de 200 dos 500 bilionários rastreados pela Bloomberg perderam dinheiro este ano.

Apple, Amazon, Google, Facebook e Microsoft equivalem a 30% do PIB americano

As empresas gigantes de tecnologia controlam a infraestrutura da economia digital de maneira semelhante à forma como a Gilded Age controlava a economia industrial americana monopolizada na virada do século XX. No entanto, em 1900, as cinco maiores empresas dos EUA combinaram valores de mercado que equivaliam a menos de 6% da economia do país, segundo estimativas do economista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Daron Acemoglu.

Atualmente, cinco das maiores empresas de tecnologia americanas – Apple, Amazon, Alphabet, Facebook e Microsoft – têm avaliações de mercado equivalentes a cerca de 30% do produto interno bruto dos EUA. Isso é quase o dobro do que eram no final de 2018.

O poder econômico dos barões industriais criou uma contra-reação ardente, em violentos distúrbios trabalhistas e na adoção de reformas que antes pareciam radicais, como a Lei Antitruste Sherman e um imposto de renda federal. Comparado às dificuldades políticas enfrentadas por John D. Rockefeller e outros magnatas industriais do início do século XX, os movimentos do governo contra as big techs têm sido relativamente leves. Pelo menos até agora.

Gates, Buffett e Zuckerberg repetem barões industriais do século passado: filantropia

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, irá pela segunda vez ao Congresso dos EUA. (Mandel Ngan/ AFP)

À esquerda, políticos como Alexandria Ocasio-Cortez e Bernie Sanders fizeram ataques devastadores à crescente desigualdade e à crescente riqueza de bilionários. Os manifestantes se reuniram em frente à cobertura de Bezos em Manhattan, exigindo um imposto sobre a riqueza. Os funcionários do Facebook falaram sobre o papel de seus empregadores na divulgação da desinformação e do discurso de ódio.

Monopolistas como Rockefeller e Andrew Carnegie ajudaram a reparar suas imagens públicas com filantropia em larga escala, um movimento ecoado nesta nova Era Dourada.

The Giving Pledge, um compromisso de doar a maior parte de sua riqueza em sua vida, foi fundado por Gates e Buffett. Zuckerberg também entrou no campo da filantropia, estabelecendo a Iniciativa Chan Zuckerberg, ou CZI, em 2015, com o objetivo de “promover o potencial humano e promover a igualdade”.

Mas mesmo esses atos provocaram críticas.

“O ultra-bilionário moderno é alguém que sente o direito, em muitos casos, de governar privadamente o povo dos Estados Unidos”, disse Anand Giridharadas, autor de “Os vencedores levam tudo: a charada de elite de mudar o mundo”, um influente crítica da filantropia bilionária.

A generosidade e o ativismo de Gates durante a pandemia lhe renderam muitos elogios, mas também atraíram teóricos da conspiração suspeitos de seus motivos. Uma pesquisa do YouGov e Yahoo News descobriu que 44% dos republicanos e 19% dos democratas acreditavam que Gates queria usar vacinas para implantar rastreadores nas pessoas.

As críticas a Bezos também não foram deixadas de lado, ainda que suas doações tenham aumentado recentemente com um compromisso de US$ 10 bilhões em fevereiro para combater as mudanças climáticas e uma doação de US$ 100 milhões em abril para a organização sem fins lucrativos Feeding America. Quando ele fez os anúncios, sua riqueza já havia crescido significativamente mais do que esses valores este ano. Ele não assinou a promessa de doação.

MacKenzie Scott, ex-mulher de Bezos, assinou o compromisso pouco depois que os dois anunciaram sua separação. Scott disse na terça-feira que desde então ela doou US$ 1,7 bilhão para várias causas, incluindo equidade racial, mudança climática e saúde pública.

“Não há dúvida de que a riqueza pessoal de alguém é o produto de um esforço coletivo e de estruturas sociais que apresentam oportunidades para algumas pessoas e obstáculos para inúmeras outras”, disse ela.

As grandes empresas de tecnologia ganharam algum respeito relutante, mesmo dos críticos, durante a pandemia.

“Tivemos a sorte de ter essas tecnologias digitais”, disse Acemoglu, do MIT. “Sem eles, as consequências dos bloqueios e o distanciamento social teriam sido piores.”

Isso pode ter um custo: “Isso tornará a dominação das empresas de tecnologia sobre a economia e nossa vida social muito pior e acelerará significativamente a tendência em direção a uma maior automação”, afirmou Acemoglu. Ele alerta que a rápida ascensão da tecnologia pode aprofundar a desigualdade, diminuir o número de bons empregos e enfraquecer a democracia.

Bill Gates, fundador da Microsoft
Bill Gates, fundador da Microsoft: filantropia, combate ao coronavírus e alvo de desinformação. (Jason Lee/ Reuters)

EUA discute cada vez mais aumentar imposto sobre grandes fortunas

Tais preocupações podem ajudar a transferir às big techs e seus bilionários para a mira de governos cujas finanças foram devastadas pela pandemia. Dirigindo-se à corrida presidencial dos EUA neste ano, Elizabeth Warren e Sanders propuseram impostos sobre a riqueza para bilionários, uma ideia bem aceita em pesquisa com os eleitores.

O ex-vice-presidente Joe Biden, candidato democrata, não adotou o imposto sobre a riqueza, mas está em campanha com taxas mais altas para os ricos e as empresas, além do fechamento de brechas nos impostos sobre imóveis.

Na ausência de um imposto sobre a riqueza ou de algum outro tipo inovador de cobrança, será difícil tributar a sorte de Zuckerberg, Bezos e outros bilionários da tecnologia. Grande parte de sua fortuna está na forma de ações em alta, que não são tributadas até que sejam vendidas.

“Os bilionários estão acumulando uma enorme quantidade de ganhos de capital não realizados, sobre os quais não estão pagando muito – se houver – imposto”, disse Gabriel Zucman, professor de economia da Universidade da Califórnia em Berkeley, que ajudou Sanders e Warren a desenvolver sua proposta de imposto sobre a riqueza.

DEIXE UMA RESPOSTA

*

code